Se não vai desembarcar na próxima estação, fique longe da porta.

sábado, 24 de outubro de 2009

Esporte mata!

Será que esporte mata?

Se não se pode adquirir o livro nas livrarias convencionais, na internet é fácil encontrar artigos do doutor Róiz sobre a sua polêmica tese. Neles, o médico deixa clara sua oposição ao senso comum de que esporte é vida e saúde.

Segundo ele, a humanidade se divide em dois tipos de pessoas: os longevos e os não-longevos. Infelizmente, os últimos compõem a maioria e, na opinião do doutor, só deveriam fazer longas caminhadas. Ele explica: "(...)quando o indivíduo não é longevo, isto é, quando em seu organismo predomina o hormônio da supra-renal denominado glicocorticóide, cuja atividade é impedir a ação da insulina, que procura "limpar" o sangue, enviando para os tecidos o excesso de muitas substâncias, como a glicose, o ácido úrico, o colesterol, o LDL (colesterol "ruim") etc., todas essas substâncias tendem a aumentar no sangue. O aumento de LDL determina o aparecimento de placas de ateroma nas artérias e o espessamento delas, diminuindo o calibre desses vasos e, conseqüentemente, a nutrição do próprio coração, que finalmente se obstrui e constitui o infarto.

Havendo na maioria das pessoas a predominância do glicocorticóide, é natural a freqüência do aparecimento do infarto. A prática de exercícios aeróbicos, como a corrida, a natação etc., irá antecipar muito esse desfecho, daí a razão de ser permitido dizer que esporte mata." Esporte não mataria apenas essa minoria de sorte, os longevos, que só não morre depois dos oitenta se abusar da comida.

5 comentários:

De Marchi ॐ disse...

E digo mais: coelho corre pra caralho e mal vive 15 anos. A tartaruga mal se mexe e vive 100.
Poizintão!

Moacir Moreira disse...

De vez em quando você diz algo sensato.

Anônimo disse...

A vida é a maior assassina de todos os tempos e toda a gente celebra a puta da vida.Incoerências!!!
Continuo vomitando tédio

Anônimo disse...

A vida mata, no entanto é celebrada.
Incoerências ...
Vomito tédio continuamente.

daniele disse...

o que me mata é a preguiça